A nossa Comunidade é formada por cristãos: homens e mulheres, adultos e jovens, de todas as condições sociais que desejam seguir Jesus Cristo mais de perto e trabalhar com Ele na construção do Reino, e reconheceram na CVX a sua particular vocação na Igreja (PG4)

06 maio 2019

Semana de Oração pelas Vocações, 5 a 12 de maio

A vocação é um convite a não ficar parado na praia com as redes na mão, mas seguir Jesus pelo caminho que Ele pensou para nós, para a nossa felicidade e para o bem daqueles que nos rodeiam.

Papa Francisco

Mensagem para o 56.ª Dia Mundial de Oração pelas Vocações


20 março 2019


“Comunidade de Vida Cristã: Identidade e Sentido de Pertença”

Em tempo de Quaresma, a equipa de serviço da CVX-BI desafiou a nossa Presidente Carla Rebelo a vir até à Covilhã para nos fazer um refresh sobre o tema “Comunidade de Vida Cristã: Identidade e Sentido de Pertença”.

No domingo, 17 de março, a partir das 9 da manhã, juntámo-nos no edifício da Biblioteca da Universidade da Beira Interior, desfrutando de um belo enquadramento primaveril. A Carla apresentou-nos os pontos, a partir do Princípio Geral 12, que recordámos: “O estilo de vida da Comunidade de Vida Cristã compromete os seus membros, com o auxílio da comunidade, a buscar um contínuo crescimento pessoal e social que seja espiritual, humano e apostólico.” Seguiu-se uma dinâmica de oração individual e em pequeno grupo, onde fomos convidados a “Rezar aquilo que nos tira força & não deixa que Deus se mostre através de nós” e “Rezar aquilo que nos dá força & deixa que Deus se mostre através de nós”. Partilhámos depois em grande grupo, percebendo que Deus nos fala de formas diversas, nas várias circunstâncias da nossa vida e que, também cada um de nós, é chamado quotidianamente a fazer a diferença no seu contexto. Foi também a oportunidade para rever o “modo de proceder na partilha em pequeno grupo”, com especial enfoque nas potencialidades da segunda ronda.

Seguiu-se a Eucaristia na capela de S. Martinho, presidida pelo nosso Assistente Regional, P. Sérgio Diz Nunes, sj, onde nos sentimos alimentados com a Palavra do Senhor. Não podendo deixar de lado a vontade de conviver e de saciar a outra fome, passámos a um animado almoço, onde a tarte de lima marcou pontos…

Na visita guiada ao Museu dos Lanifícios experimentámos e vivenciámos a memória do mundo fabril onde as máquinas, os cenários e as expressões “urdir”, “dar fios”, “cerzir”… nos levaram às histórias e às recordações de um passado que foi a grande alavanca para o nosso futuro.

Muito animados pela Alegria do Encontro, agradecemos à Carla a sua presença amiga e fecunda na Beira Interior, sentindo que vamos fazendo caminho de abertura ao Espírito, em Comunidade de Vida Cristã…



Isabel Fael
17 de Março de 2019

26 fevereiro 2019

Conversas Com Graça, partilha


Conversas Com Graça, VOAR COM O ESPÍRITO SANTO
Castelo Branco, 17. fevereiro. 19

No passado dia 17 de março o Grão de Mostarda e a CVX-BI dinamizaram o encontro – Conversas Com Graça - em Castelo Branco na Casa de Santa Maria. Tivemos como orador o Professor Gabriel Magalhães, que muito gentilmente acedeu ao convite, para nos guiar numa partilha intitulada VOAR COM O ESPÍRITO SANTO.

Iniciámos esta caminhada guiados por uma voz serena e que de forma generosa nos centrou, primeiro na imagem exterior que temos do Espírito Santo: a pomba, as línguas de fogo, o sopro… Depois pediu-nos para passarmos para lá deste aspecto e movermos a nossa atenção para a sua interioridade. Convidou-nos a perceber o íntimo do Espírito Santo e como a Sua Alegria, Amor, Paz, Energia (fortaleza) e Lucidez nos possibilita viver de um modo mais profundo essa Sua Presença, chamá-Lo com amizade, tratá-Lo por um ‘petit nom’ e fazer do encontro mútuo e atento, uma Vida cheia.

Com este apelo, o Professor Gabriel sugeriu-nos de seguida a “Tomar um café com o Espírito Santo”! Bem ciente convida a disciplinar-nos, para que o olhar do nosso coração esteja mais atento e disponível a perceber como o Espírito Santo está em nós quando nós estamos com Ele. Ao educarmos esta nossa sensibilidade e ao aproveitarmos os caminhos do Espírito Santo: Batismo, Eucaristia, Credo, Crisma, Pentecostes e … precisamos voltar Àquele que dá Vida e nos centra no Outro, no respeito pela diversidade, na fraternidade e que nos leva a uma dimensão social mais eficaz e mais focada no Amor.

Pausadamente, levou-nos a perceber as nossas fragilidades, finitudes… e questionou: como podemos entristecer o Espírito Santo? Ao duvidar do nosso Eu, da nossa dignidade, da capacidade de ser e fazer, de nos perguntarmos se somos suficientes… neste seguimento o P. Sérgio referiu que entristecemos o Senhor com ‘a nossa falta de docilidade à realidade, como a dureza de coração e enganarmo-nos com o mal com aparência de bem. Complementando que o mal não nos engana. É mal e rejeitamos. O que nos engana é a aparência de bem.’ 

Todavia, Deus Misericordioso preza a nossa liberdade e permite a cada um decidir… respeita, embora entristecido. Por isso, há aqui uma enorme Graça - a Presença Amiga de Deus que perdoa, está sempre connosco e que nos vai propondo um Caminho - o Projeto de Amor.

Houve algumas perguntas por parte dos participantes o que possibilitou uma maior interacção e uma riqueza da tarde de partilha.

Termino a minha partilha com algo que me marcou além da excelente presença, testemunho e sabedoria do Professor Gabriel. A voz… que conduziu o encontro e que convidou a um momento de pausa tão ausente do nosso quotidiano e que tanto promove o regressar ao íntimo e ao ‘Petit nom’ com que devemos tratar quem amamos.


By Sofia Preto, GdM
CVX-BI

28 janeiro 2019

Palavras Com Ritmo, VI



(1)A adesão ao Evangelho, a pertença à tradição cristã e a visão inaciana são o ponto de partida e dão o mote para o olhar, generoso e crítico, que queremos ter sobre a realidade, a sua riqueza, complexidade e contrariedades.
Esta frase consta do Estatuto Editorial do ponto SJ.
Quais foram os olhares e as moções que levaram a lançar como portal dos Jesuítas em Portugal o ponto SJ?

O desejo de criar um espaço digital que fosse mais do que uma réplica da nossa presença no espaço físico, mas que pudesse reforçar os laços de comunhão entre as diferentes obras e actividades ligadas aos jesuítas e que nos desse a possibilidade de contribuirmos de forma construtiva para o debate público. Percebemos que é nossa missão contribuir para um modo de conversar que rompa com a tentação de criar trincheiras. O espírito crítico pode ser amigo da escuta e da capacidade de criar pontes. É essa a nossa motivação.

(2)Diante da erosão do espaço público, em que parece fácil erguer muros de protecção e cavar trincheiras identitárias e ideológicas, que também podem surgir dentro da Igreja, queremos proporcionar um espaço de encontro, num clima temperado.”
Seguindo a leitura dos Estatutos, diga-nos como surgiram as pessoas que escrevem no ponto SJ?
Como lhes foi lançado o convite? Todos aceitaram?
Houve alguma reacção surpresa?

Procurámos que os convites tivessem em conta uma diversidade de olhares e que pudesse reflectir a diversidade que se vive na Igreja e na sociedade. As poucas recusas que tivemos deveram-se aos compromissos das pessoas. Mas a recepção do convite foi sempre de enorme entusiasmo. Foi uma dessas ocasiões em que tive a bonita sensação de que há pessoas que insistem em agradecer-nos o bem que nos fazem. A honra de tê-las no projecto é nossa mas elas fazem questão de se manifestar honradas… Fiquei verdadeiramente sensibilizado com a sua enorme generosidade. 

(3)Cada secção do ponto SJ – Educação, Cultura, Política, Fé e Justiça – incorpora distintas perspectivas, permitindo um melhor entendimento da diversidade e pluralidade que caracteriza o contexto em que vivemos, sentimos, pensamos, criamos.”
Cada secção surge como ponto de partida e a sua pertinência na sociedade portuguesa ou numa visão inaciana são as fronteiras da sociedade e respondem ao apelo do Papa Francisco para estar no mundo não sendo do mundo e construir um conhecimento onde cada um é desafiado ‘a encontrar Deus em todas as coisas e ver que todas as coisas vem do alto’?

Assumimos com clareza o nosso ponto de partida. Mas sabemos que para alguns dos nossos leitores antes de possibilitar um encontro com Deus (que desejamos promover) ir ao ponto SJ é um meio pelo qual se alimenta a profundidade. E isso é muito importante. Assumimos ainda que toda a realidade pode ser vivida como espiritual, em todos os acontecimentos e situações é possível discernir qual é o bem maior. E procuramos contribuir para que isso seja possível.

(4) O “Ponto SJ é também um espaço de notícias sobre as organizações ligadas aos Jesuítas em Portugal, pretendendo dar a conhecer a sua diversidade de propostas e eventos.”
Quais são os recursos humanos e técnicos que facilitam este espaço de notícias?
Por favor, concretize.

Há duas pessoas que trabalham no Gabinete de Comunicação e ponto SJ. Depois cada obra tem um referente que nos vai mantendo informados do que se passa por lá. As obras ligadas ao Portal podem também ter uma área de notícias gerida pela própria obra e enviar novidades que faça sentido publicar na área de notícias do ponto SJ.

(5) Como foi acolhido, ajudado e concretizado este ponto SJ no espaço eclesial?
Como foram estabelecidas as pontes e gerada a fecundidade do Evangelho?
Exemplos concretos.

A relação com meios de comunicação da Igreja é muito boa. A Eccclesia publica regularmente textos do ponto SJ e está sempre disponível para nos ajudar (com fotografias, por exemplo). Já fizemos trabalhos em pareceria com a Família Cristã.
Temos contactos regulares com os Gabinetes de Comunicação de diversas dioceses nomeadamente Lisboa e Braga. Há também uma relação de estima e colaboração com o Gabinete de Comunicação do Opus dei.

(6) O ponto SJ faz o seu primeiro aniversário em fevereiro.
Que balanço e desafios pode partilhar connosco? Exemplos concretos.
Quais as formas concretas de contribuir e viabilizar a continuação deste Lugar de Encontro?

Há vários desafios: renovar, tornar a linguagem mais próxima e garantir a sustentabilidade. Estamos muito contentes com o trabalho desenvolvido até agora, mas sabemos que precisamos de ajuda de todos: partilhando conteúdos, reagindo ao que escrevemos… às vezes chamando a atenção para gralhas, mas também, dentro das possibilidades de cada um, financeira. Queremos que o Portal seja assumido por todos e como um espaço em que se reforçam laços de comunidade.

[Agradeço ao P. José Maria Brito o seu acolhimento, disponibilidade e reorganização pessoal para partilhar connosco este olhar de quem vive diariamente o compromisso e a dinâmica do ponto SJ.]

Unidos no Senhor,

By Sofia Preto
CVX-BI