A nossa Comunidade é formada por cristãos: homens e mulheres, adultos e jovens, de todas as condições sociais que desejam seguir Jesus Cristo mais de perto e trabalhar com Ele na construção do Reino, e reconheceram na CVX a sua particular vocação na Igreja (PG4)

18 maio 2017

Rezar com os ícones, Maria Mãe de Deus da Ternura


Claro que irei! 
Foi a minha primeira reacção quando me falaram do nosso encontro em Castelo Branco. Quase sem pensar, predispus-me a ir, melhor, é daqueles acontecimentos que tomo como certos de um ano para o outro. Quando me apercebi que o encontro seria dinamizado pela Alzira Fernandes, então foi a certeza de que estaria presente.

Agora que já passaram alguns dias sobre o encontro da CVX, admiro o modo como a Alzira construiu a acção na qual fomos envolvidos. O fim era rezar com o ícone da Virgem de Vladimir e como, para chegar a esse fim, para rezar com esse ícone, a Alzira nos mostrou a necessidade de aprofundarmos a nossa cultura cristã, de sabermos mais sobre a história da nossa Igreja, da Igreja de Cristo, lembrando-nos que Cristo se saboreia, se come. Antes de nos propor que rezássemos com o ícone, propôs-nos que o abordássemos primeiro sensorialmente e racionalmente, só depois nos conduziu ao propósito a que queria que chegássemos.

Vivemos, neste encontro, a graça de rezar com e não de rezar para. Rezar com Maria é muito diferente de rezar a Maria. Quando rezamos com Maria é ela que reza connosco. Quando Jesus nos ensinou «Pai Nosso» é Pai nosso, meu, teu e de Jesus, isto é, Jesus não se retira do acto, como somos irmãos em Cristo, quando dizemos «Pai nosso que (…)» é Jesus que diz connosco, porque é nosso irmão, quando falamos ao Pai, Ele fala connosco, desce junto a nós e incorpora-se nas nossas orações. Assim foi também no convite que nos fizeram, rezar com o ícone, não rezar para o ícone. Ao rezarmos com o ícone sucedeu o que a Alzira nos tinha dito, que o ícone era feito para entrar em nós.

Depois, todos estes encontros de CVX mostram ter a riqueza inerente a «Quando dois ou mais se reunirem em Meu nome (…)». São as riquezas da partilha do que sentimos, do que rezámos, a alegria de estarmos juntos, o convívio à mesa do almoço, a partilha das boleias, os abraços à partida e à chegada, tudo é e merece ser vivido, ser saboreado.

Já marquei lugar para o ano, ainda não sei a data, ainda não sei com quem será, ainda não sei se terá lugar, mas já marquei!

By Paulo Lopes, Os Profissionais


13 abril 2017


Letra: Paula Richards
Música: P. Cristóbal Fones SJ

Señor, a quién iremos

Señor, a quién iremos
si tú eres nuestra vida;
Señor, a quién iremos
si tú eres nuestro amor,
si tú eres nuestro amor.

Quién como tú conoce
lo insondable de nuestro corazón;
a quién como a ti le pesan
nuestros dolores, nuestros errores
quién podría amar cómo tú
nuestra carne débil, nuestro barro frágil.

Señor, a quién iremos
si tú eres nuestra vida;
Señor, a quién iremos
si tú eres nuestro amor,
si tú eres nuestro amor.

Quién como tú confía
en la mecha que humea en nuestro interior
quién como tú sostiene
nuestra esperanza malherida
y nuestros anhelos insaciables
quién como tú espera nuestro sí de amor.

25 março 2017

24H para o Senhor


Maravilhas fez em mim
Minh’alma canta de gozo
Pois na minha pequenez
Se detiveram seus olhos
E o Santo e Poderoso
Espera hoje por meu sim
Minha alma canta de gozo
Maravilhas fez em mim

Maravilhas fez em mim
Da alma brota o meu canto
O Senhor me amou
Mais que aos lírios do campo
E por seu Espírito Santo
Ele habita hoje em mim
Que não pare nunca este canto

Maravilhas fez em mim



11 março 2017

Partilha de uma experiência… Rezar com Sto. Inácio

Resultado de imagem para experiência com deus

 Aceite o desafio feito pela Equipa de Serviço da CVX da Beira Interior para ir passar um dia com os membros CVX da Região, foi com muita alegria que pus pés ao caminho e lá cheguei. A Covilhã, num gesto imenso de delicadeza e de ternura, recebeu-me, nem mais, com uma queda lindíssima de neve. Tinha acabado de entrar em casa da Isabel Fael e do Paulo que me/nos receberam muito, muito bem. Nem sei se terão sido eles a encomendar tão belo espetáculo. Fiquei maravilhada, tanto mais que para estas bandas do meu verde Minho não neva nunca ou muito raramente.

- Para começar não está nada mal, pensei.

No dia seguinte, pela manhã, lá fomos rumo à paróquia de S. Pedro onde nos esperava um grupo de pessoas muito acolhedoras e simpáticas. Havia caras muito conhecidas – já de há longos anos (não é Alicinha?) e outras não tanto. Havia também que pessoas que nunca tinha visto, mas… senti-me em família, desde o primeiro momento. E a primeira ideia que me saltou foi o PG 4 “ homens e mulheres, adultos e jovens, de todas as condições sociais que desejam seguir Jesus Cristo e trabalhar com Ele na construção do Reino…” Sim, havia um grande grupo que tinha disponilizado um dia (com muito frio) para “rezar com Sto. Inácio”.

Senti-me verdadeiramente em casa.

Depois… foi a minha vez de tentar dar uma ajudinha, simples e humilde, para que os corações se abrissem a Deus, em oração, na linha proposta por Sto. Inácio. E foi muito, muito bonito poder testemunhar como as pessoas, todas as pessoas, acolheram as diferentes propostas (muitas… se calhar um nadinha demais!) que ia fazendo e lá partiam cada uma para o seu cantinho para se encontrarem com Deus.

E só Deus, o Eterno Senhor de todas as coisas, sabe a maravilhas que, no coração de cada um, se foram realizando.

O almoço decorreu num ambiente de grande fraternidade e não faltaram iguarias variadas.

As minhas duas amigas que me acompanharam para que não fizesse a viagem sozinha e que também foram, gentilmente, convidadas para almoçar, vieram encantadas com o ambiente acolhedor e fraterno que encontraram. E também unem a sua voz ao meu hino de gratidão à Isabel e ao Paulo que tão bem as acolheu também!

Tive pena de não ficar para a Eucaristia “centro e cume” de toda e qualquer oração, mas tínhamos que regressar, a viagem ainda era um bocadinho longa e a noite não me facilita muito a condução. Mas, de certeza, que foi um momento bom e bonito, de verdadeira recolha de tanto bem recebido.

A terminar, só me resta agradecer este dia passado em tão boa companhia. E desejar – com todo o caração – que nos possamos encontrar em breve, quem sabe no Dia Mundial Da CVX.

Continuemos a rezar uns pelos outros, sobretudo nesta Quaresma para que possamos abrir um pouco mais o nosso coração a Deus e aos irmãos.




Muitos beijinhos, M. Helena

13 fevereiro 2017

A CONFIANÇA, Semana de Férias CVX-BI 2017



A Semana  Vinde e Descansai  surge como proposta de elementos da CVX-BI.

Tem como objetivo principal proporcionar um tempo de férias como um tempo de encontro, de partilha, de aprofundamento  espiritual e de oração.

Em 2017 o tema será  "A Confiança".


Inscrições e Informações: